quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Skitchin'



“Road Rash” foi pro limbo, o que dizer então de “Skitchin”, sua cria bastarda restrita a memória dos que jogaram Mega Drive? O spinoff porta mecânica e cenários idênticos, mas evita a safadeza de apenas trocarem os motociclistas por patinadores pancadas visando enganar outro nicho. Dessa vez as competições ilegais focam-se no “skitching”...  No Brasil “pegar rabeira”. Corrida de patins agarrando o para-choque dos carros enquanto rola porrada franca entre moleques birutas disputando trocados. Na interface inicial, existem muitas modalidades competitivas para os múltiplos jogadores, inclusive torneios. 


A meta é vencer os 12 percursos por estradas estadunidenses (apenas uma no Canadá). Agregado a corrida, há a tela avaliando a condição do seu equipamento. No rodapé se acessa a “lojinha” pra comprar o material. A seleção musical acontece no cd player e fica a critério qual musica escolher nas corridas. Tudo gira em torno do dinheiro acumulado, você se mantém nas disputas enquanto o dinheiro durar. A grana troca os equipamentos ruins quando não compra produtos mais caros. Paga até a estadia no hospital. Sem grana é Game Over
Os critérios de bonificação exigem bastante, avaliam quantos skinheads foram nocauteados, a quantidade das manobras circenses, número de caronas nos carros, carona nos meganhas, warps... Sim, warps, portais que o levam para outra cidade.  E as corridas, cacete? É cuspido e escarrado do "Road Rash"? Não. É bem mais marrenta para justificar os patins.  Continua com os carros atropeladores, obstáculos espalhados, poças escorregadias, cruzamentos súbitos, a polícia, e os próprios corredores filhos da puta. 

Há 3 comandos principais que misturados geram outros resultados: Acelerar, agarrar e esmurrar. As armas estão no chão e só se pega quando o boneco está abaixado depois de ganhar impulso e usar o botão pra agarrar, tornam-se selecionáveis apertando start. Já as caronas. Deve observar no retrovisor em que lado da pista está o carro senão ele te joga longe. Passando do teu lado, você usa o agarrão. A melhor dica é ficar agachado pro dono do veículo não parar. Saia do alcance da polícia, ou entra em cana. 

Já agarrando o carro, você solta ele e corre pros seguintes até à chegada. Obviamente, os outros punks estarão fazendo o mesmo, podem até espancá-lo pra que você saia do caminho aí é necessário os murros e rasteiras. As armas recolhidas ajudam muito nessas horas de aperto, tente se manter fixo na lataria, senão cai também. 

Rampas a rodo medirão seu grau de vício. Deve executar piruetas pelo direcional e saber cair feito gato assim a banca de jurados dará nota alta. Nunca aprendi o truque, então passo batido. O quadro abaixo da corrida marca a quilometragem faltante. O seu rank. Mostra sua saúde e a durabilidade do equipamento. Tem o retrovisor mostrando veículos mais a horda de punks. Nos duelos há uma barra de stamina recuperável.

O primeiro curso é ridiculamente fácil, só perde se ficar tentando os truques nas rampas. Aí da segunda em diante vão entupindo de obstáculos e vagabundo portando aquele choque, carros vindo em fila indiana nos dois lados. Só é esculhambado se bancar o poser. Indo bem nas disputas, você cumpre bônus, pagam bem na medida que se cumpre as missões.

Gostei muito da arte grafite enfeitando a parada, contrasta mais "Skitchin’" à "Road Rash". De resto é a mesma qualidade do outro. Trilha sonora muito boa, selecionável naquele player antes das corridas. É marcada pelo mainstream da década de ’90, é grunge, industrial, heavy metal e rock alternativo. Tá com saudade de "Road Rash", mas já jogou tudo? Então tire um tempo pra conhecer esse. Porque muita coisa foi modificada, e requere tempo se quiser dominar as corridas, de repente sair de letra na rampa maldita.  
*adaptação de uma resenha em vídeo e também remodelada para o ex-site “Time Over”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário