sábado, 10 de agosto de 2013

Super Star Soldier



Apesar do nome, não é para o Super Nintendo, mas continuação direta de “Star Soldier” do NES e MSX. Temos um tradicional shooter vertical. Sua nave vai atirando nas outras, parecidas com marimbondos espaciais, que empesteiam a tela e atiram para tornar tudo caótico. Abatendo umas naves bem iguais a sua, elas liberam tipos diferentes de armas, todas capazes de evoluir a ponto de limpar a tela. 


Somando aos seus poderes especiais, é possível ganhar proteção e mísseis extras. Pense agora na tela entulhada com todos esses elementos. No decorrer do jogo, não basta ficar chumbando tudo, é inevitável usar esperteza na troca de armas e barreiras, pois amenizam o sufoco de enfrentar certas formações de ataque perigosas, pra não dizer que dependendo da arma, o chefão fica mais bonachão.  

O jogo herda também cânones dos fliperamas. O primeiro nível sempre será facilitado, e cria a sensação temporária de poder no jogador até ele se destruir psicologicamente no outro estágio bem discrepante na dificuldade, caso fosse arcade pagaria fichas e mais fichas tentando passar dessa e ver o desfecho. Pro seu bem, o continue é infinito, e é fácil acumular vidas, desde que destrua tudo na tela pro score sempre subir. 


Os checkpoints só funcionam perto dos chefes, e na hora de destruí-los suas vidas se esvaem sem precisar voltar ao inicio. Não há o que dizer dos gráficos, dos chefes titânicos, da trilha sonora tocando temas espaciais otimistas enchendo o ego do jogador prestes a perder as vidas dentro de segundos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário