sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Furopon World



 A capa é esse papel vagabundo que a Warp. limpou a bunda.

Ô falecido Kenji Eno! Mais outra miscelânea de joguinhos birutas, cara? Depois pagava de incompreendido, sério, tá mais pra caça-níqueis que outra coisa, pior, nem a capa da desgraça tu acha na net, nem em sites japas. A minha cópia reseta os joguinhos todos, acho que paguei 200 dólares por um CD pirata...



Seguinte: ‘cê tem no pacote aquele Tetris do Trip’d portado pela Panasonic pros 3DOs ianques, uma vez que o original era do Play 1. O cabra também banca o maroto e copia quebra cabeças tradicionais como Bejewled e nem o Puyo Puyo escapa. De mais inventivo, temos uma adaptação chapada do Galaga (o shooter dos marimbondos sem a rolagem da tela), adicionando o besteirol de Parodius. Ocorre uma espécie de modo história, há o gráfico da galáxia contendo os planetas, chefes e lojinhas com melhorias. Só pode avançar uma vez por turno, os chefes safados  te driblam e se refugiam nos confins do espaço e a loja te cobra grana galgada nas matanças espaciais. 



Em cada planeta (ou perto dele, já que tu luta no espaço, a menos que seja nas últimas camadas da atmosfera... Bah, entendeu, né, vagabundo?) vem aquele vespeiro assassino tentando reduzi-lo a poeira espacial, daí tem que trucidar boa parte dos alienígenas, pegar os upgrades responsáveis por subir o nível do teu mutante podendo mudá-lo. Todos eles apresentam suas exclusividades. Agora sobreviva ao extermínio e cumpra o placar que te exige 50% das ameaças detonadas por point ou não avança, camarada.

Não recomendo, é o mais chinelão da Warp.!

Nenhum comentário:

Postar um comentário