terça-feira, 3 de setembro de 2013

Donald Duck: The Lucky Dime Caper e Deep Duck Trouble


The Lucky Dime Caper:




Corriqueiro joguinho 2D de plataforma. Donald precisa resgatar seus sobrinhos presos separadamente em três cantos da América, depois surgem outros três estágios ao redor do mundo em que é preciso deter as gralhas da Maga Patalógica. Elas guardam as primeiras moedinhas dos garotos que a vilã acredita ter o mesmo poder da  Número 1. Aí sim, depois dos outros três níveis, é que vem o embate entre Donald e  ela. As primeiras fases são bem parecidas, na segunda parte elas, ganham mais identidade. Nos estágios, Donald possui energia pra coletar armas, fora as vidas extras.




A versão original saiu primeiro no Game Gear, muito mais fácil e melhor programada que a do Master System. Querendo desafio maior, recomendo esta segunda versão, esticaram as fases exemplificando a rampa maluca num templo peruano, incluíram barra de tempo, as armas tornaram-se limitadas. De defeitos temos bugs na energia do pato. Outro bug encontrado estaria no HP, os losangos vermelhos da energia às vezes não quer dizer nada. Pra terminar, a rolagem da tela não corre direito, é preciso voltar pra que ela distancie mais o seu limite do boneco.

 _________________________________________



Deep Duck Trouble:




Outra aventura do pato Donald na era de ouro dos games Disney, muitos desenhos sem graça dela ganhavam coisas interessantes. Na época servia pros pobretões sem como jogar Quack Shot no Mega Drive. É quase igual ao Lucky Dime Caper. Os temas triviais do gênero repetem-se: vulcões, cavernas gélidas, floresta etc. A qualidade visual está ótima, o personagem é bastante expressivo, quando apanha tem acesso de fúria, a toda hora faz caras e bocas, os inimigos também demonstram expressões, enfim carrega aura de desenho animado. 




O objetivo é vencer quatro áreas da ilha à escolha, depois aparece um templo e finalmente encara o chefão. A fase divide-se em duas partes, no final da segunda, é preciso fugir do chefe, tipo em Crash Bandicoot. No final se sobrevive à fuga, coleta a relíquia e segue pra outra área escolhida. Como nada é perfeito, há uns probleminhas, a respeito do slow down direto, os gráficos de energia e vida estarem no mesmo plano do cenário ofuscados por uma camada acima do cenário. A dificuldade é ridícula, zera em uma hora.


Quem busca os jogos da Disney bem feitos deve prestar atenção nestes! É certo tirar uma boa diversão. Uma das provas que o Master fazia bonito perante a montanha de lixo existente no sistema 8 bits adversário. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário