domingo, 1 de fevereiro de 2015

Solomon's Club



Cria portátil do original de arcade tendo existido juntamente para o Nintendo. Seria um puzzle flertando jogo de plataforma da mesma maneira que Bubble Bobble o fez. A temática envolve um aprendiz de bruxo, discípulo do rei Salomão fazendo chiste a cabalística ars goetia onde o tal rei usava selos de magia pra chamar capirotos feito pokémons (japas se amarram em coisa esotérica pelo que deu pra notar).


Tem 5 níveis apresentando 10 salas cada, medindo 72 blocos (Mwahahaha), onde deve ir coletando a chave, abrindo a porta e seguindo pra outra à escolha. Como antigamente os programadores curtiam mais o sadismo em construírem games difíceis de passar ao invés de elaborarem coisas bocós para a compra de jogos ser incessante, as salas ficam mais exigentes na realização da simples tarefa antagonizando tempo e criaturas.

Falando dos poderes do bruxo, ele cria e desfaz blocos, servindo para escapar ou abrir passagens, muito válido desfazer o bloco e assim o monstro transeunte despenca e morre (na maioria das vezes). Os cenários apresentam toda a sorte de monstros daqueles mais ralés só obstruindo passagens àqueles pedra no sapato, andando por todo o salão ou atirando bolas de fogo, muitas vezes saindo de espelhos mágicos.


Para causar menos desconforto, o jogador deve coletar fadas depois convertidas em vida extra, há também pousadas vendendo itens para deter inimigos, sair do estágio e demais artifícios pra quem muge em excesso por ter altos desafios gradativos.

Uma boa ideia aplicada, foi criarem senhas contendo poucos caracteres então nem há o porque em ficar reclamando e reclamando...


Acho a franquia muito bom, quase nenhum puzzle indie chega aos pés desse, o pessoal novo remói outros mais popularizados. Desafio bom, enfatizando o uso da cachola, bem acabado ainda mais nascido numa das primeiras levas do GB. Aprovado pra quem quer explorar o sistema, se for pela franquia em si recomendo o do fliperama.

Nenhum comentário:

Postar um comentário