sábado, 25 de abril de 2015

New Adventure Island




Quase a mesma tranqueira do primeiro remake saído no Super. A Hudson deixa os dinossauros de lado (a melhor coisa original já pensada pro jogo) resolvendo reingressar nos conceitos primitivos da série havendo lá as melhorias para não datar demais.   


A trama começa com o nosso baby boomer japonês produtor de abacaxi Takahashi Meijin, a.k.a. Master Higgins, casando na igreja em algum lugar de Samoa para subscrever de forma cerimonial seus divórcios anteriores no civil. Eis que um mago animista propício a quimbanda rapta a moçoila somado dos convidados e num ato de cólera, o cabra atravessa toda a Oceania em busca dos raptores.


Pronto, o resto é a mesma! Clássico esqueminha do Super Mario Bros. 1! Fase aberta; caverna; outra fase aberta mais íngreme e o castelo protegido por um dos magos antropomórficos. De advento temos a flecha fazendo conjunto com bumerangues e machadinhas; por fim, Higgins agora pode correr e isso te ajuda muito para evitar o esgotamento da barra de insulina ou sei lá o que se pode enquadrar como dependência de frutas. Puseram umas frescuras de apelo visual: um mapinha lateral tipo o do Makaimura, o herói cometendo algum papelão comemorativo depois de vencer um dos mestres e só...


A dificuldade é alta desde a segunda fase, mas quebra parte do seu sadismo devido ao acúmulo fácil de vida de acordo com a pontuação sustentado pelos continues infinitos somente resetando o seu score caso dê o Game Over, mas quem liga pra pontos numa era movida por chorões? 

Ótimo jogo de plataforma, principalmente pela alta dose de desafio. Bem acabado, pode ser incluso em qualquer lista contendo o melhor do PC Engine tradicional, pecando somente um pouco nas músicas estridentes, perfeito pros amantes de speedrun.


3 comentários:

  1. A quarta imagem da postagem me lembrou uma fase do Super Mario World.

    ResponderExcluir
  2. Sim, Adventure Island sempre se inspirou em Super Mario Bros. não é de admirar que colem no design do World.

    ResponderExcluir
  3. Isso é fato,Takahashi é viciado em frutas kkkkkk é o primeiro caso de dependência documentado nos mundo dos games.Talvez seja mais saudável que cogumelos alucinógenos(alfinetada na Nintendo),certo? :)
    Eu evito jogos com som estridente,o caso de alguns do Master System por exemplo,mas se o game for bom mesmo,paciência,eu abaixo o volume e vou pro combate he he he.

    ResponderExcluir