quarta-feira, 27 de julho de 2016

Fudêncio e Seus Amigos - MTV



Finalmente a Cucamonga vai falar desse desenho bem feito, profissional, educativo e familiar que é o Fudêncio. Foi criado em uma época que a EmoTevê não tinha desmunhecado de vez, Hermes e Renato não tinham virado um Porta dos Fundos exclusivo da FX pegando o trem de última hora no boom dos canais de grupos de comédia, ainda tinha uns programas de música decentes para se assistir (apesar de não ter grandes novidades que nem os tiozões merdalhões do rock se propõem a desembuchar) e ainda traziam outras bagaceiras animadas maneiras como o Celebrity Deathmatch da Muricanerland.


Depois que a famigerada Drogaria de Desenhos Animados se cansou de fazer a Mega Liga de VJs Paladinos, que estreava os apresentadores almofadinhas fingindo entender de música combatendo o crime contra vilões escrachados da música nacional e internacional em alguns episódios que eram até bem bacanas tipo o da Avril Latrina, decidiram se basear no boneco chinês escrotizado do João Gordo para fazer uma pegada mais rebelde e maloqueira, metendo o foda-se no desgastado "politicamente correto" e não querendo mesmo passar alguma moralzinha de banheiro por trás.


Como sabemos bem, o programa era protagonizado pelo Fudêncio, o moleque pelado punk de plástico que a cada dia apronta alguma merda com a galerinha de sala em sua escola estadual igualmente bostalhenta homenageada com o nome do saudoso Zé do Caixão. Entre a turminha tem a drogada cachaceira de tendências suicidas Funérea, o travesti mirim Zé Maria, o doente terminal Safeno, a dupla Peruíbe e Neguinho, Popoto que é o tiozão retardado com aparência de moleque e finalmente o fodido do Conrado.


Apesar do desenho querer se focar no Fudêncio, que sempre se dá bem sem fazer muito esforço ou aparecer muito, o foco está mesmo na galera e no próprio Conrado que tenta pagar de moleque certinho e sempre se fode quando tenta fazer o certo, mas também não é como se fosse a vítima, já que ele também é um moleque escroto com ataques de egomania e sempre quer aparecer e ser o melhor. Por causa disso, ele sempre leva a culpa que era para ser do Fudêncio, do resto da turma ou de demais secundários que roubam, matam ou seja lá o que façam e conseguem repassar pro caqui, que sempre é confundido com um tomate.


Para dar pontos negativos para o Conrado por qualquer motivo idiota ou levar os merdicas a excursões fumadas, tem a professora Cudi Ampola, uma professora velha, gorda e mal comida que dá umas aulas escrotas que diz ser importantes, desde a fagocitose dos protozoários até aulas de sonegação fiscal. Chega até a chamar skinheads para uma palestra de abecedário, coletar dinheiro de doação para encobrir a lavagem de dinheiro da escola ou montar um São Paulo Fashion Week por simplesmente querer.


Para finalizar os recorrentes, há a polícia encabeçada pelo Tenente Kevin Costa (bem nas últimas temporadas do desenho modificado para Kevin Bacon), obviamente uma zoação do Kevin Costner. Acompanhado pelo seu parceiro homossexual, eles se envolvem em atividades ilícitas, demoram eras para atender ligações de emergência ou adotam medidas esdrúxulas para conter algum crime, como permissão do governo para atirar pra matar. Eles sempre estão do lado do Fudêncio, condecorando o boneco por salvar o dia enquanto prendem o Conrado sem provas por qualquer merda que acontece, sendo o "maldito jovem do reggae" que é.


Como se pode ver, todos os episódios do desenho tiram sarro dos vários temas e situações condizentes da vida real, desde as escolas de lata, a polícia corrupta, grupos sociais e modas escrotas, entre várias outras bagaceiras. Tudo isso regado aos vários palavrões e gírias para dar aquele toque molecão rebelde. Toda a série durou por 6 temporadas, desde 2005 até 2011, com uns episódios aleatórios no futuro com "Fudêncio 2000" e o talk show "Infortúnio com a Funérea" entrevistando as "celebridades" mais doidas, exemplo sendo o Rogério Skylab.

Pessoalmente, as três primeiras temporadas são a essência de toda a zoeira desse desenho, depois disso perdeu toda a ideia de escrotização da sociedade huezileira e ficou muito focada em popzeiras como a Copa de 2008 ou o Zé Maria protagonizando brincadeiras de Sex and the City, a última temporada praticamente perdeu toda a graça e até mudaram os dubladores (além da mencionada alteração do Tenente).

Fora isso, Fudêncio é uma boa (e baratesca) animação brasileira que pegou toda essa esmerdalhança e zoou sem muita intenção de crítica, apenas indo no espírito de escrachar a parte tosquenta da nossa realidade. Sobre a Drogaria em si, eles fizeram Rockstar Ghost e The Jorges em seguida, parece que saíram da MTV e agora fazem uns desenhinhos mais comerciais e infantis, não sei bem os detalhes. É uma pena, mas parece que não dá para sobreviver como animador brasileiro sem fazer bagaceiras assim.

3 comentários:

  1. Ponto negativo pra EmoTV ter virado crente e vender os seus VJs num leilão do Mercosul! Por sorte as melhores (pouquíssimas) animações do Huezil são de coisas marginalzonas.

    ResponderExcluir
  2. ''Professora louca e mal comida'' South park ?

    ResponderExcluir
  3. https://www.youtube.com/watch?v=AgOy9LghdkY

    Só vou deixar isso aqui pra completar a postagem. uashaushaushu

    ResponderExcluir