domingo, 25 de agosto de 2013

Dunk Kid's



Quando li rápido, achei também que era “Drunk Kid's”, seria difícil o nome sair assim nos EUA caso fosse portado para o ocidente. Mas realmente, há certa necessidade da criança ou adulto estar bêbado durante o parco entretenimento proporcionado. Nos anos 90, o Japão seguia modinha de copiar a cultura hip hop dos “mano da quebrada” incluindo seus passatempos, tá ligado? Dentre eles o streetball, modalidade mais solta do basquete, jogada nos quintais e guetos, sem tanta gente nos times tendo enfoque nos dribles marotos. A segunda razão de o jogo existir seria a febre do mangá “Slam Dunk” (Slam Dunk Kid's?), afinal seu sucesso transcendeu o seu país de origem. 

A Sega criou a bomba no finalzinho de vida do portátil, agora sacando as limitações do tijolaço, conseguindo assim modernizar no mínimo a interface. O caô já começa na tela de apresentação, mostrando o selo da associação de streetball japonês, talvez nem exista mais. Logo depois disso, somos jogados na seleção de modos, o tournament, restrito a escolher timecos das diferentes províncias nipônicas, de inicio enfrentando conterrâneos pra bem depois enfrentar times no Havaí, Estados Unidos, China e Europa... Europa num todo, podiam ter posto União Européia, caceta! Ela surgiu em 93 e o jogo é de 94... Com tudo isso continua como associação JAPONESA de basquete de rua.

O modo freeplay permite a escolha de qualquer time existente e regula os detalhes da partida, os times apresentam diferentes vantagens e desfalques nas três especificidades. O terceiro modo é o multiplayer, quem sabe o melhor motivo de se ter “Dunk Kid's”. A merda é pensar nas criaturas donas desses portáteis levando esse treco num coldre preso no peito e a extensão que ligue os dois “bichanos”.

Os movimentos dos cestinhas ficaram reduzidos aos padrões dos basquetes eletrônicos. Detalhe para o fato de nem haver options ou tutorial explicando direito os comandos, se existir deve ter ficado no manual, mas como iremos achá-lo? Lamentável. O botão 1 rouba a bola, lança pro camarada. O 2 arremessa e salta o boneco. Pra super enterrada, pelo que pude sacar (afinal não jogo muito games de esporte por achar besteira) seria direcional+ o primeiro pressionado+ arremesso. A pontuação segue à moda caralha o desporto, 2 pontos o mais longe que der pra arremessar e 1 ponto nas cestas comuns e enterradas teatrais. Os acertos parecem programados para acertarem numa taxa aleatória de jogadas, somente a enterrada reduz a margem de erro, isso tudo é ignorado através da total falta de desafio nas competições.


Dunk Kid's tornou-se desatualizado. Peladas de basquete insossas, nenhum conceito especial aproveitando os absurdos dos animes exemplificando os Mario Golfs, Tennis da vida. Não dedicou originalidade dentro do subgênero esportivo, seu visual bonitinho não esconde a mediocridade, parece sucata do fracassado WonderSwan.

Nenhum comentário:

Postar um comentário