sábado, 28 de dezembro de 2013

Maniac Mansion



Jogo do tipo point-and-click feito pela LucasGames (atual escrava do Mickey chamada LucasArts) em 1987, quando os computadores eram movidos a carvão e os "gráficos" Made in Paint era o estouralógica da garotada.


A histórinha é praticamente um filme B do mais escrachados, sobre um meteoro que caiu perto da mansão de uma família de malucos, controlando o cérebro do pai de família e o induzindo a conduzir experimentos para sugar cérebros. A namorada do protagonista zé ruela foi capturada por esse cientista maluco e por isso decide chamar mais seis amigos para ajudá-lo nessa roubada. Fora o protagonista que não tem nada de especial e é obrigatório, são escolhidos dois de seis coleguinhas para ajudá-lo, sendo que cada um dos seis tem habilidades especiais (um nerd que mexe com qualquer geringonça, um roqueiro, uma escritora, e por aí vai). O jogo pode ser completo com qualquer formação, oferecendo um sortimento de finais diferentes.


O jogo rola em tempo real, com algumas cenas acontecendo durante a exploração dando uma ideia do que fazer. Se perde o jogo caso todos os personagens morrerem, seja um por um ou todos de uma vez (caso ativar um reator nuclear dentro de uma piscina (?!?!?!). Além de acumular itens e usá-los no lugar certo, deve evitar as vezes os moradores da casa como a enfermeira ninfomaníaca mulher do doutor, o filho veterano militar malucão ou o tentáculo roxo. Sim, um tentáculo roxo que pode te achar e te matar no ato, enquanto o verde é um bundão que quer ser astro do rock. Vai entender o que andavam usando para criar um jogo como esse.




Não tem muito o que falar, o jogo é curto, mas pode ser complicado porque há seus momentos Chico Xavier com os puzzles de vez em quando. Já em questão da versão há diversas (dado o motivo de imagens diferentes), desde o Commodore e Amiga, passando pelo NES, que é a versão bundona censurada, chegando a um remake feito em 2004 com gráficos mais coloridos e caprichados. A decisão é sua.



Nenhum comentário:

Postar um comentário