quinta-feira, 7 de abril de 2016

Dark Arms



Joguei faz um tempão enquanto desbravava a biblioteca do Neo Geo Pocket. Remanchei tanto que somente um ano depois vim explicar do que se trata (Se as memórias da cachola não me traírem). Saído em 99, ele foi uma modificação do jogo Beast Busters, um rail shooter de horror pro Neo Geo, da própria SNK. Por motivos óbvios quanto a limitação do portátil, a desenvolvedora preferiu mudar toda a proposta nos apresentando um novo produto satisfatório. No ocidente renomeiam para Dark Arms, nome da arma suprema referida na trama, faz mais sentido e reforça a ideia de spinoff.


O universo do jogo desdobra-se no mundo humano,  parelho a ele, temos a dimensão dos encostos, mediada por uns capirotos porteiros. Por alguma razão os monstros começaram a transitar livremente na realidade humana para fazer zona. É aí que entra o esquadrão dos Beast Busters, são tipo os cabras da S.T.A.R.S. metendo pipoco em tudo que é horripilante. Um desses caçadores de monstros é auxiliado por um exú caveira humildemente auto intitulado "Master". Essa aberração lhe prestará todo o suporte enquanto desbrava as áreas do mapa.

As áreas do jogo são delimitadas num mapa, todas pedem revisitações, conforme mata monstros, cata melhorias e chaves. O mote são as matanças enquanto coleta itens, dificilmente cumpre quebra cabeças ou morre de tédio conversando com outros personagens, o lado mais complexo estaria na construção de armas na cabana de Master.



Dark Arms conta com uma quantidade boa de armas, compostas por certas classes de itens. Você tem Seeds e Oums. Seeds seriam embriões contendo um tipo de arma. Aparecem em certos lugares ou quando mata um chefe. São alimentadas com espíritos dos monstros eliminados através da arma "catcher", por isso é indicado usá-la quando algum monstro estiver pra morrer.


Alguns espíritos possuem determinado elemento (mostrando um ícone na listagem do inventário) isso influencia no efeito dos tiros, se dispararão fogo, gelo etc.. Ainda dentro da proposta de up grade, você  pode fortalecer uma arma ou evoluí-la para causar outras variações de estrago. Temos das manjadonas pistola, metranca e escopeta à outras estranhas puxando o lado sobrenatural da coisa, e bota estranhas nisso: Garra de lagosta, bambolê, um super laser e assim vai... Todas meio viscosas brotando do milico, parece até o simbionte do Venom.



Nos cenários de batalha, você possui um menu com barra de HP, uma barra limitando a quantidade de tiros disparados em sequencia e ainda opta por uma das 3 armas selecionadas na casa de Master. O level up nada influi nos atributos do mocinho, só aumentam a quantidade de tiros em série e creio eu que tenha um aumento no poder de destruição. O Chris Redfield genérico pelo menos tem a possibilidade de catar atributos adicionais espalhados nas fases.

Os monstros são muito variados a ponto de parecer  A Turma do Penadinho Castlevania: Mortos-vivos, palhaços assassinos, lobisomens, vampiros, múmias, bruxas, sucubus, monstros de areia, golens e por aí vai. A dificuldade não é tão grande, lembra muito os Metal Gears 8 bits com a infelicidade de termos a tela espremida. De putaria, os programadores fazem os demônios te encurralarem ou ciladas das quais os inimigos te fecham em círculo, apresentando poucas situações de escapatória. Os mestres nem exibem indicador de vida, custam muito para morrerem.



Pra tristeza sua duração é muito curta, o que estende um pouco mais a sua durabilidade, seria a historinha enjoada com direito a reviravolta, o colecionismo dos espíritos (difícil não associar aos Castlevanias do GBA), um modo versus e uma torre de 50 andares cheias de marafo zerando o modo tradicional. Mesmo assim dá pra fazer tudo dentro de 3 horas. =/

Gostei do jogo! Dark Arms conseguiu envelhecer, apresenta arte excelente, trilha macabra funcional à ideia,  traz sistema de up grade interessante e contrasta a boa parte dos jogos deste portátil, geralmente adaptações limitadíssimas dos carros chefes da SNK. Se hoje podemos jogar um King of Fighters numa cafeteira, quem seria doido de catar suas versões pioradas? Por isso separamos praticamente o material exclusivo extraindo o máximo de qualidade/inventividade do Neo Geo Pocket Color.  Selo Cucamonga!


4 comentários:

  1. Nunca tinha ouvido falar nesse console e com um joguinho interessante desses, vale a pena dar uma pesquisada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aproveita e dá uma olhada nos outros jogos revisados, tem umas indicações bem legais.

      Excluir
  2. NGPC junto ao PCE são as duas plataformas que mais quero jogar a fundo. A maciez da movimentação nos jogos de luta desse portátil é excelente! Mas é bom saber que posso pegar algo como Dark Arms para variar também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Neo Geo Pocket é bem mais possante que o GBC, a SNK mostrou perfeccionismo e não lançou coisas avacalhadas tipo a Sega negligenciando nos jogos do Game Gear.

      Excluir