quarta-feira, 25 de maio de 2016

Comboio (Convoy), 1978, Sam Peckinpah



Motociclistas já marcaram a sua presença nas telas provando não terem medo de nada encarnando vilões contratados por criminosos graúdos, foras-da- lei fazendo bicos em troca duns trocados ou meras pessoas com alma de caubóis buscando a liberdade máxima... Há uma enxurrada de produções dedicadas aos motociclismo. Mas... Se simples motos já causam estardalhaço o que dizer então de um comboio de caminhões ruindo qualquer barreira que tente impedi-los de seguir em frente?

Apresento então Convoy, o expoente máximo dos filmes envolvendo caminhões, para os gringos truxploitation, afinal, qualquer temática setentista chegada nos absurdos ganhava o infame sufixo. Direto ao ponto, Convoy nos conduz pelas ermas estradas estadunidenses, atravessadas por grandes jamantas em que seus pilotos trocam papo pelo rádio para matar o tempo quando não são importunados por um mesquinho policial corrupto bem interpretado pelo recém-defunto Ernest Borgnine, dando a vida ao arquétipo do policial implicante que se tornará a mosca na sopa.


Aqui o policial rodoviário implica com os caminhoneiros alegando excesso de velocidade cobrando-lhes bufunfa. Quem reclama aprende a não ser petulante, pagando mais. Com o acerto feito, Rubber Duck, "líder" do grupo encarnado pelo Kris Kristorfesson é bem despojado e bonachão paquerando estradistas, dando uma rapidinha com a garçonete dum restaurante de estrada. O momento de trégua é interrompido quando o chato do policial tenta mostrar moral ao dar voz de prisão após provocações feitas pelos comparsas de Duck, tendo no grupo o ator Burt Young na eterna figura de Paulie na série Rocky.

Os ânimos tentam ser acertados, com Duck tentando ser camarada do policial que por implicância tenta trancafiar o amigo negro de Duck e este tendo uma família pra sustentar e saturado dos excessos desce porrada no xerife, e o quebra pau na birosca entre os caminhoneiros e policiais se desdobram na destruição do estabelecimento. Os melhores lances das pancadarias são rodados em câmera lenta dando aquele ar de rodeio.

Rendendo os policiais todos, é hora de pirulitar dali, correr pro estado seguinte e finalmente pisar em solo mexicano. O policial não se conforma e vai seguindo, pagando o preço de ter seus veículos atirados pra longe ou mesmo esmagados pelos mastodontes de aço. Daí começa a pedir reforço e os a situação tende a piorar. 


Duck acaba recebendo comoção dos demais colegas de profissão seguindo-o, jornais e políticos oportunistas tentam se condoer de uma causa que nunca existiu. Duck mede forças com as instituições policiais opressoras, que preferem enxergar os caminhoneiros como meros barnabés a serem coagidos enquanto tentam concluir a longa travessia pelo país. E essa "religiosidade" caminhoneira chega a fazer Duck pouco se lixar pros ditames da sociedade, seja conceitos de sindicado, publicidade ou a própria constituição.

Destaco junto a excelente trilha sonora, bluegrass até o talo, não confundir com a musica country, basta pesquisarem essa vertente para entenderem o que quero dizer. Inclusive a musica interpretada pelo cantor C.W. McCall homônima ao filme teria sido o esboço para a trama toda.


Este é um dos últimos filmes de Sam Peckinpah, quando o diretor já estava pra lá de Marraquexe entre a coca e o alcoolismo. O cara é sempre respeitado no meio cinéfilo, mas recebe pouco esmero daqueles ditos defensores do seu legado, até mesmo Convoy um filme mais pipoca e guaraná carrega fortemente sua assinatura anti-heróica enaltecendo a alma cowboy frente às regras emergentes da realidade proposta. Digo que além de bem sucedido abriu as portas para outros irmãos de gênero.

Convoy é ação do começo ao fim, tendo pitadas bem humoradas remetendo a clássicos como Os Gatões, do mocinho sempre fazer graça contra um policial linha dura que se acha dono da região. É um filme sem frescura, mostrando o espírito fora-da- lei sem jogar qualquer drama batido, os pilotos são bem calcados e transmitem carisma por viverem as suas próprias regras e troçarem o máximo que puderem do tira. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário