sábado, 20 de agosto de 2016

Wood & Stock: Sexo, Orégano & RocknRoll, 2006, Otto Guerra



Ainda bem que boa parte das poucas e melhores animações nacionais são justamente as mais eloquentes como Fudêncio e as adaptações do cartunista Angeli, que ajudou a criar uma das mais importantes revistas da contracultura no Brasil na década de 80, a Chiclete com Banana junto de Glauco, Laerte & cia. A revista era sem bandeiras políticas. Satirizava desde aquele tempo a pilantragem brasileira  junto dos modismos do momento muito parecidos com os problemas e lixo midiático da atualidade. 


Enquanto uns ficam achando que o Brasil entrará numa terceira guerra mundial, naquela época já existiam grandes problemas sociais como o "escândalo financeiro", a mudança de governo, as escrotices da tevê e o conservadorismo de tempos em tempos enchendo o saco. Não era a toa que a revista logo agradou os excluídos e ganhou fama com a propaganda de boca em boca. Ela revigorou o impresso underground quando o jornal O Pasquim perdeu vigor, coincidentemente nos tempos finais da ditadura militar.

Pra nossa sorte, boa parte do conteúdo conseguiu ser reapresentado em alguns projetos esporádicos, como o mockumentary animado "Dossiê Rê Bordosa", o bloco "Angelitos"  readaptando piadas clássicas do programa Metrópoles da Tv Cultura e o filme dessa resenha. 



O animador Otto Guerra já prometia essa animação de longa metragem uns 10 anos antes do produto final, após ter produzido a versão animada da tirinha humorada Rocky & Hudson, sobre dois cáubois/gaúchos gays quadrinizados por Adão Iturrusgarai que será revisada uma outra hora. O filme não somente fez releitura de Wood & Stock mas entrelaça diversas personagens de Angeli na história. Dentre tantos personagens, talvez a dupla hippie fosse a melhor escolha pra interagir com as outras figuras mais fechadas nos seus micro universos, seja por lembrarem a dupla Cheech & Chong, seja pela temática rock.

Wood & Stock não se limitam a imitarem toscamente os bicho grilos norte americanos, pelo contrário, mostram a faceta brasileira da cena que existiu no país aos poucos recontadas por quem busca bandas undergrounds psicodélicas. Pode ser a falta de grana, mas no lugar de despejarem meras bandas americanas sessentistas na trilha sonora, incluem grupos brasileiros como Novos Baianos, Rita Lee, embora tenham tascado muitas do Júpiter Apple.


Beleza que ele tinha um repertório bem lisérgico após os Cascavelletes, mas dava pra incluírem algo da Spectrum, Bixo da Seda ou sei lá qual outra, pra não dizer o próprio Raul Seixas, existente somente nas piadas. Achei interessante alguns easter eggs, tipo as capas dos discos Chunga's Revenge de Frank Zappa ao álbum debute do 13th Floor Elevators.

A trama é simples, depois do flower power, Wood & Stock ficaram dois sedentários crianções sem qualquer perspectiva. A coisa piora quando Lady Jane (sim, a música dos Stones) mulher de Wood parte pra um retiro espiritual. Wood então traça duas metas: Voltar com a banda para faturarem um cascalho enquanto precisa cuidar do filho coxinha desconexo ao mundo chapado do pai. Essa andança é mero pretexto pros dois esbarrarem com as outras personagens como o bronco Bibelô aqui amante da devassa alcoólatra Rê Bordosa dublada pela própria Rita Lee (inclusive a inspiração pra existência de ), o revolucionário de araque "Meia Oito" e por aí vai.


Angeli desconfiava do resultado final mas acabou gostando da ideia. Ele achou interessante a elaboração dos personagens com muitos mais ângulos daquilo desenhado, e apesar dos dubladores terem sotaque de diversas regiões do país as vozes encaixaram muito bem na visão do criador original.

O filme pra muitos pode ser "mal animado" e control+c, control+v das tirinhas, mas quem é que lê hoje em dia quadrinho? Se for revista digitalizada, boa parte reclama que não gosta de ler num PC e se for mídia física dão a desculpa que não se acha mais tão facilmente no mercado. Então a animação prestou um serviço dos grandes. Lembrando que até a célebre revista The Fabulous Furry Freak Brothers dos anos 60, sobre dois maconheiros, talvez inspiração pra Wood & Stock até agora não conseguem concluir uma mera curta metragem. No final saímos no lucro. Taí o link do filme completo pra não chorarem. 

2 comentários:

  1. Esse assisti há uns oito anos atrás e ri muito!!!
    Animação nota 1000!

    ResponderExcluir